Morre o escritor Millôr Fernandes aos 88 anos

Millôr Fernandes

Morreu nesta terça-feira, aos 88 anos, o escritor, jornalista e cartunista Millôr Fernandes. Ele havia sofrido um acidente vascular cerebral em fevereiro de 2011, e teve duas longas internações ao longo do ano. Morreu em sua casa, de parada cardíaca, às 21h de ontem.
Embora seja mais conhecido do público como humorista, Millôr foi um intelectual como poucos, e participou de grandes momentos da imprensa brasileira do século XX. Foi um dos responsáveis pelo fenômeno editorial da revista O Cruzeiro, que chegou a ter tiragem de 750 mil exemplares nos anos 1950, e um dos fundadores do lendário O Pasquim, tablóide que se tornou símbolo da resistência à ditadura militar.
Publicou dezenas de livros, mas dizia que não tinha obra (“É coisa de pedreiro”). Tradutor de Shakespeare, Molière e Brecht, foi um dramaturgo premiado – entre as peças que escreveu, destacam-se Um Elefante no Caos e Liberdade, Liberdade (com Flávio Rangel). Como se não bastasse, reivindicava o título de inventor do frescobol, e foi vice-campeão mundial de pesca ao atum na Nova Escócia, em 1953. Seu perfil no Twitter tinha 285 mil seguidores.
Nascido no Méier, bairro da zona Norte do Rio, em 16 de agosto de 1923, Millôr foi registrado – com quase um ano de atraso – como Milton Viola Fernandes, e acabou adotando o nome que se conseguia ler na certidão de nascimento. Órfão muito cedo de pai e de mãe, começou a trabalhar aos 13 anos em O Cruzeiro, onde ficou por 25 anos. Tornou-se um autodidata radical. Foi trabalhando que aprendeu tudo o que sabia fazer. E só parou de trabalhar quando sofreu o AVC. Em 2004, quando sua obra começou a ser relançada pela Editora Desiderata, disse a VEJA que continuava a fazer “dez coisas por dia”. “Se não faço, me sinto um fracassado”, explicou.
Millôr Fernandes, que não era um saudosista, só admitia ter saudade de Ipanema nos anos 1960. “Fui morar lá em 1954. Meu edifício foi o primeiro, tive que espantar os índios da praia”, disse, em entrevista ao jornalista Sérgio Rodrigues, em 2008. Ele teve dois filhos – Ivan e Paula – com Wanda Rubino Fernandes. E deixa também um neto, Gabriel. O velório será nesta quinta-feira, das 10h às 15h, no Memorial do Carmo, no Caju, Rio de Janeiro. A cerimônia de cremação será restrita à família.

VEJA

Anúncios

Obrigado pelo comentário! Volte sempre! =)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s