IDENTIDADE SECRETA – CAPITULO #1 “A escolha”

identidade secreta bammer

Há uma vila chamada Gyura, é uma vila quieta, isolada, tranquila, recebia os lindos Raios de Sol da tarde, que outrora iluminava a janela do quarto de Dana Walthowiski, a filha de Andy e Caroline Walthowiski.

A menina brincava com sua boneca em cima da cama, os raios da tarde iluminava o quarto da pequena, ela respirou, de sua janela ela viu ao longe uma árvore bem bonita e crianças correndo ao seu redor, em seu quarto continha uma Radiola velha de seu pai. A menina larga a boneca, e vai adiante a Radiola.

Seus pés descalços sente o calor do assoalho. Seu vestidinho rosa balança pra lá e pra cá. A pequena abre a porta de seu quarto, caminha pelo corredor. Vai até uma estante aonde contém livros e discos antigos. A pequena passa a mãozinha pelos livros, ela olha fixamente como se aquilo roubasse toda a sua atenção.

Mulheres Opostas.

Ela leu.

A pequena pegou esse livro, soprou sobre ele para que a poeira se dissolvesse. Ela olhou a capa, e se assentou no chão. Abriu as pequeninas perninhas e começou a folear o livro, leu as seguintes frases:

Vikiee sentou-se na sua poltrona e abriu o envelope.

“Que a maldição de todos aqueles que voce já fez mal, caia diante de você, que todas as dores que você já fez em seus inimigos, voltem em dobro.Porque esse é o seu fim. Seu, e de seu filho…Apodreçam!”

– O que é isso! que absurdo! Meu Deus! a torta!

Vikiee foi correndo para a cozinha. Tomou um susto. O bilhete caiu no chão.

-Nãããão!

-O que foi mãe?

João havia comido um pedaço da torta.

-Não podia ter comido?

Vikiee, ainda assustada e tremendo se aproximou do filho, olhou em seus olhos, ele olhou de volta. Vikiee pegou a faca, e repartiu a torta e depois a comeu.

O fim dos dois já se pode imaginar.

 

E assim, fascinada pelo comecinho da historia, A pequenina Dana, segurou firme o gigantesco livro, mas antes de voltar para o quartinho, ela viu um disco antigo, ela o pegou e nele estava escrito “SINFONIA DE MOZART Nº40”. E assim, discretamente a garota voltou para o seu quarto, colocou na Radiola a Sinfonia, fechou a porta do quarto, e sobre a melodia escutando, ela abriu novamente o livro e começou a ler.

INT-CASA DE ANDY-SALA DE ESTAR-PÔR DO SOL

Andy estava sentado em sua poltrona de couro, ao seu lado, sua maravilhosa esposa Caroline, uma mulher meiga, sensual poderosa, e que sabe o que quer.

Andy é um homem de porte físico musculoso, parece um lutador experiente, sempre adequado, inteligente e sensual, seu único defeito é ter um segredo que o aprisiona.

Andy é misterioso, digamos que ele tem duas identidade, porém ninguém sabe disso, ninguém.

EXT-MANSÃO DE JOHN MALVOVIK-AREA DE LAZER-PÔR DO SOL

Algumas horas da vila de Gyura, vive um poderoso e multimilionário chamado John Malvovik, um homem que tem em seu currículo coisas horrendas, dentre eles assassinatos, mutilações, mas seu nome tem poder, mas, digamos, que o próprio Deus.

John Malvovik tem dois filhos, dois gêmeos, um orgulho preenche o peito de John por causa dos filhos, dois gêmeos, que já fez várias barbaridades a mando do pai, e creio que se algo acontecer com um deles Malvovik mataria o culpado. John também tem uma esposa, glamorosa, porém uma perua asquerosa mãe, é claro, dos gêmeos.

John acariciava a enorme AK47 bico groso dourada, com seis tiros prontos para disparar. Ele tinha um amor por aquela pistola. Não sei se mais que a dos filhos. Mas eu não preferia tomar o veneno desse homem.

-Pai – começa um dos gêmeos- Tô precisando de um possante.

-João, outro possante? Já não basta o que você tem na garagem?

A voz de John é uma voz rouca, como se casa palavra arranjasse sua garganta.

-Quem disse que ele tem esse caro pai, ele bateu semana passada – disse o outro gêmeo.

-Está chegando uma carga pra mim hoje, vou ver o que consigo…

(Aponta a arma para o filho, sem a intenção de atirar)

-Você ta me dando prejuízo garoto.

-Desculpe pai.

-Mas vai ter que fazer por onde João Paulo Malvovik.

-O que o senhor desejar.

-Bem, meu sócio, está cuidando de umas cargas que irá chegar pra mim esta noite, e quero você com ele. Aprenda como irão negociar a carga. Preste atenção…

-Mas pai, porque eu não posso ir?

-Cale a boca Antony! Você sabe que o mais velho que tem que fazer isso.

Antony abaixa a cabeça.

-Então, preste a atenção, e pelo amor de Deus, não morra meu filho.

-Morrer? Mas não é só receber uma carga?

John Malvovik começa a rir.

-Sim é claro, jovem rapaz. Mas temos que estar preparado para tudo.

-Sim papai.

-Eu te amo filho. Agora vá! E se apronte.

-Sim senhor.

João Paulo Malvovik entra para a mansão, e se depara com sua mãe, saindo de casa, com um vestido vermelho, bem colado ao corpo e com uma maquiagem exuberante, exagerada.

-Aonde você vai, Curação?

-Pra lugar nenhum, mãe, lugar nenhum.

A mulher chega perto do marido, ameaça dar um beijo mais ele se esquiva.

-O que foi com o João?

– Elza, aceite que o menino já está bem crescido, e deve cuidar dos negócios do pai.

-Cuidar de quê? Dos contrabandos? Das cargas roubadas? Dos diamantes…

-Cale essa boca mulher!

John ameaça dar um soco na mulher, mas, hesita.

-Não ousa falar desses diamantes aqui em casa.

-Tudo bem papai, a mãe não vai mais falar – interrompe Antony aturdido.

-E aonde você vai arrumada desse jeito?

-Hoje é segunda-feira.

-Ha! Dia do cinema.

-Isso.

-Olha querida me desculpe, estou com a cabeça cheia.

-Tudo bem, você pode me recompensar mais tarde, mas eu quero uma Premier.

John sacou o que a Elza Malvovik queria.

-Quanto de você precisa?

-De bastante, bastante.

John tirou da carteira várias notas gordas, e entregou a mulher. Ela saiu rebolando, entrou em seu carro, e saiu.

-Hoje vai ser um grande dia para o seu irmão.

-É, e o que eu irei fazer?

-Sua mãe esta fora até tarde, eu estou de boa, a casa esta liberada…

John olha para o filho.

-Chamas umas putas, e vamos nos divertir meu filho.

-É Isso pai, isso!

Naquela noite que se aproximava, mais tarde, João Paulo se encontra com o sócio de John, o Sr Damien Sowdon.

INT-QUARTEL GENERAL-SALA DE VIDEO-NOITE

Uns grupos de pessoas que pareciam espiões conversam.

-Vamos chamar ele?

-Será?

-Ele é uma lenda

-Um dos melhores espiões.

-Difícil e ele aceitar.

-Ela já não tinha se aposentado?

-Sei lá!

Essas eram os cochichos entre as pessoas. Até que uma voz grave e de extrema autoridade ecoou.

-Silêncio. Vocês devem estar se perguntando se recrutarmo-lo, sim, queremos ele conosco, mas o homem… Bem. Mudando de assunto, enquanto Henrique liga pra ele, a missão é o seguinte…

INT-QUARTEL GENERAL-SALA DO DIRETOR-NOITE

Henrique, O secretário disca os números e o telefone toca…

INT-CASA DE ANDY-SALA DE ESTAR-NOITE

Alô? – Atende Andy.

-Olá, Sr. Andy, neste exato momento o senhor irá receber uma encomenda em sua casa. Siga a minha instrução, se estiver com pessoas ao seu lado, ignore-as.

-O que vocês querem?

-Senhor , espere o toque da sua campainha…

E Nesse exato e fatídico momento a campainha toca.

-Vá até sua porta, imediatamente.

Andy vai até a porta, olha pelos lados, sua esposa não está perto.

-Retire da caixa de correio sua encomenda.

Andy fez o que o homem pediu. Ele então encontrou um bloco enorme lacrado.

-O senhor deve abrir esse envelope, dentro dele, existe mais explicações.

-Eu não vou…

Mas antes de terminar a frase, Henrique desligou o telefone.

Andy fitou o rolo do bloco enorme. Respirou fundo, e levou até seu escritório. Deixou o bloco sobre a mesa, e se sentou em sua cadeira, olhando para a encomenda.

INT-QUARTEL GENERAL-SALA DO DIRETOR-NOITE

-Então Henrique? – Pergunta o General.

-Só temos que aguardar senhor.

-Ótimo. E tomara que ele aceite.

-Ele vai ter as opções…

INT-CASA DE ANDY-ESCRITÓRIO-NOITE

-Querido?

-Sim?

-O que está fazendo?

-Nada querida, nada.

-Venha , Gladis terminou o Jantar.

-Já estou indo…

Andy olhou mais uma vez para a encomenda. E por fim decidiu.

-Okay, é para um bem maior.

Andy abriu o envelope, e nele encontrou várias fichas falando sobre John Malvovik. Andy ficou pasmo com tanta coisa. E dentro de um pacote de plástico um celular tocou.

-Sim?

E de repente o celular saiu um infravermelho, identificou todo o local, e disse.

LOCAL SEGURO, PROSSEGUIR MENSSAGEM PRIVADA.

Um homem extremamente gordo e com a barba feita, disse.

-Olá Andy, a quanto tempo. Bem, se você abriu esse envelope, certamente está disposto a prosseguir com ele. Bem, daqui a algumas horas John Malvovik irá dar inicio a uma troca milionária no centro de Miami, necessariamente na balsa de Miami. Para que esse segmento dê inicio, você deve escolher, a pílula azul, ou a vermelha.

Andy olhou em um saquinho duas pílulas de cores diferentes.

-A pílula azul, significa que você aceitou a missão, e ela irá te proteger contra varias coisas, entre elas envenenamento, e hemorragia por bola. A pílula vermelha significa que você não aceitou a missão, ela fara com que você desmaie por alguns minutos, enquanto a sua memoria é apagada nesta ultima hora. A escolha é sua Andy, salve o seu país.

E novamente uma mensagem holográfica se seguiu.

ESSE DISPOSITIVO IRÁ EXPLODIR EM 10, 9, 8…

Faça a sua escolha Andy – Pensou.

5,4,3…

Ele pegou a pílula vermelha levou até a boca, e então…

Continua…

NOTA DO AUTOR SOBRE O CAPITULO “A Escolha”

Dedico esse capitulo a franquia Matrix, creio que vocês perceberam algumas semelhanças, mas realmente era isso que eu queria. Escrever um capitulo com um dos filmes que eu mais gosto, dentro da minha historia foi incrível  Marcando o me retorno ao Clube, e daquilo que eu mais gosto de fazer, escrever.

Bem, amanhã temos o Capitulo dois, o que podemos aproveitar é….

NO PRÓXIMO CAPITULO DE “IDENTIDADE SECRETA

Esqueça o passado, e siga em frente…

Disse sua consciência.

Andy ignorou a consciência, e colocou a pílula vermelha na boca, e a engoliu.

De repente, uma sensação de frio, medo, gelado, pavor, medo tomou conta de seu corpo, sem se conter, sem forças debruçou sobre a mesa, derrubando folhas ao chão.

3, 2, 1…

O Celular explodiu.

-Escuro, Gelado. Escuro.

….

INT-CENTRO DE MIAMI-SALGÃO-MADRUGADA FRIA

João Paulo e alguns outros capangas, se vestia de terno.

João Paulo usava um pequeno disfarce, sua roupa cai meio exagerada, se vestia com um casaco roxo modernizado e um colete verde, que se tem um tom de morto, limo, putrefação (igual o usado por Heath Ledger com o Coringa). Para um toque final, um óculo meio claro e meio escuro cobria-lhe os olhos.

Os capangas a mando de John ficavam a espreitas, armados e atentos a quaisquer movimentos de súbito.

O local aonde eles estavam era um lugar frio, um salgão abandonado no meio do centro de Miami, e poucos minutos da Brodway. Aquele lugar realmente parecia uma Higway Urbana, o salgão era velho e recaído, sem nenhuma vegetação, nem móvel, nada, apenas a escuridão dos lugares mais pútridos.

….

No ouvido de Andy, uma voz diz “Andy você está na mira de dois”

Droga! –Ele pensa.

SLOW MOTION:

Stylus olha para João Paulo, e diz.

-É hora de morrer! HA HA HA…

E Stylus atira. A bala trepida no peito de Andy que com o impulso, também dispara, sua bala trepida na cabeça de João Paulo. Os agentes de Andy, fuzilam sem dó, Stylus.