Medo da Verdade | Quarto Capítulo

Medo da Verdade
INT. BANHEIRO DO QUARTO DE MÁRCIO – DIA
MÁRCIO encontrara ESTELA tomando banho completamente nua e parou. Permanceu olhando-a até que ela virara o ângulo do olhar e o vira.

ESTELA:
MÁRCIO?
MÁRCIO:
Me desculpe, eu não sabia que você estava aqui, mas ouvi o barulho da água e… e…

ESTELA estava saindo do box e caminhando vagarosamente em direção a ele.

ESTELA:
Eu não sei se isto é certo, mas eu não consigo lutar contra essa força.

Ela pusera a mão ao redor do pescoço de MÁRCIO, seu corpo molhado encostava nos abdomen seminu dele e entre um beijo e outro MÁRCIO tirava o resto da roupa. Minutos depois já estavam no quarto, deitados na cama.

INT. QUARTO DE MÁRCIO – DIA

O casal mal deitara e já estava fazendo amor. O foco vai para as costas de MÁRCIO que está por cima de ESTELA, é possível ouvir os gemidos autos dela. Passaram-se quase uma hora até que os dois pararam de transar e se jogaram na dama, um para cada lado. MÁRCIO logo dormira, mas ESTELA permancera acordada e encostara o rosto do peitoral dele.
Alguns instantes depois ela percebera que ele adormera por completo e pegara a ceringa que deixara de baixo da cama mais cedo. Era o veneno de uma serpente, ele merecia morrer dormindo.

CORTA PARA:

CONTINUAÇÃO: INT. QUARTO DE MÁRCIO – DIA

ESTELA já estava com o polegar posicionado para pressionar a ceringa quando MÁRCIO se moveu e abraço suas costas. Todavia, ela não teve coragem para matá-lo. Então levantara-se e fora para o banheiro.

INT. BANHEIRO DO QUARTO DE MÁRCIO – DIA

Ela fora direto para a pia e despejara o contéudo da ceringa lá. Depois tirara a agulha da cerinda, jogara no lixo e a própria ceringa deixara por conta da descarga.

ESTELA:
Quem eu estou querendo enganar? Não vou conseguir matá-lo. É melhor contar tudo de uma vez para ele.

ESTELA virara o corpo e se deparara com MÁRCIO chegando ao cômodo.

MÁRCIO:
Já acordada?
ESTELA:
Eu preciso te contar algo…
MÁRCIO(INTERROMPE):
Vai ter que ficar pra mais tarde.
ESTELA:
Por quê?
MÁRCIO:
Eu tenho um lugar especial para te mostrar.
ESTELA:
Então quando iremos vê-lo?
MÁRCIO:
Agora. Apenas vista algo e venha comigo.

CORTA PARA:

EXT. ALGUM LUGAR NA FLORESTA AMAZÔNICA – DIA

Os dois caminhavam pela mata. ESTELA agarrada à mão de MÁRCIO sem saber para onde era levada. Passaram-se alguns minutos e a massa de árvores começava a diminuir. MÁRCIO parou.

ESTELA:
Por que parou?
MÁRCIO:
É melhor vendar seus olhos.
ESTELA:
Mas por quê?
MÁRCIO:
Não estrague a surpresa, por favor.
ESTELA:
Está bem.

Ela virou o corpo e MÁRCIO tirou a camisa para formar uma venda. Amarrou firmemente e foi guiando-a mais cautelosamente. Andaram apenas mais alguns metros e ESTELA ouviu um barulho de água caindo.

ESTELA:
É aqui?
MÁRCIO:
É.
ESTELA:
Uma cachoeira?
MÁRCIO:
Assim não vale…
ESTELA (RINDO E TIRANDO A VENDA):
Mas este barulho é muito óbvio!

ESTELA parou para admirar melhor o lugar e soltou um arquejo.

ESTELA:
Esse lugar é realmente fascinante.
MÁRCIO:
Não vai cair na água?
ESTELA:
Vou… quero dize: vamos!

Os dois saíram correndo em direção á água corrente e pularam há alguns metros de distância.

INT. RIO MADEIRA – DIA

Cada um foi nadando em linha reta de encontro ao outro e quando finalmente esbarraram deram um beijo e se esquivaram para o lado.

EXT. RIO MADEIRA – DIA

O casal permaneceu brincando na água por um tempo, aos risos e beijos, mas acabaram saindo e se deitando nas areias da margem.

MÁRCIO:
Eu costumo pensar que quando venho aqui essa água lava a minha alma.
ESTELA:
É paradisíaco mesmo.

MÁRCIO se deslocou para cima de ESTELA e a deu mais um beijo. Em um piscar de olhos já estavam fazendo sexo. Quando o desejo da carne foi saciado MÁRCIO rolou para o lado e, olhando, para o a lua que começava a despontar no fim de tarde começou a desabafar.

MÁRCIO:
Parece que Deus ouviu minhas preces quando te enviou. Eu já estava a ponto de entrar em depressão, preso neste fim de mundo.
ESTELA:
Ninguém te visita?
MÁRCIO:
Esse lugar tá no meio do nada. Ninguém conseguiria nem chegar pretensiosamente.
ESTELA:
E por quê escolheu viver aqui?
MÁRCIO:
Eu não tive escolha.
ESTELA:
Claro que tem escolha, há tantos outros lugares no Brasil para cuidar de um rebanho.
MÁRCIO:
Eu não estou aqui por que gosto de ser pecuarista. Eu estou aqui para salvar minha vida.
ESTELA:
Não vai dizer que é um foragido, ouvai?
MÁRCIO:
Longe disso, mas eu sou um delator. Há dez anos eu me envolvi em um esquema pesado de tráfico de armas. Pra tirar a policia da minha cola, eu estreguei o esquema e apontei o chefe da organização como culpado. Para que eu ficasse à salvo antes e depois do julgamento, o governo federal me incluiu num programa de  proteção a testemunhas e eu vim parar neste lugar.

ESTELA ficou calada após ele terminar de falar.

MÁRCIO:
Não vai falar nada?
ESTELA:
Eu não vim aqui por acaso, MÁRCIO. Eu trabalho para o ROMANO.

CORTA PARA:


Medo da Verdade | Terceiro Capítulo

Medo da Verdade

INT. CASA DE MÁRCIO – DIA

ESTELA conseguira entrar na casa de Márcio e tomava um café com pães caseiros na mesa da cozinha.

MÁRCIO:
Desculpe a simplicidade, mas é que eu moro só, aí me conformo com o pouco que tenho.
ESTELA:
Eu estou há tanto tempo sem comer que isso aqui tá parecendo é um banquete!
MÁRCIO:
Há quanto tempo cê tá na estrada sem parar, mesmo?
ESTELA:
Quase um dia todo, quando eu terminar de comer, aqui, vou tirar um cochilo no carro e “pé na estrada”!
MÁRCIO:
Olha, se você quiser, pode descansar aqui mesmo. No meu quarto tem uma cama boa, confortável. Eu vou ordenhar o gado agora.
ESTELA:
Eu aceito, mas tem uma condição.
MÁRCIO:
Pode dizer. 
ESTELA:
Eu vou fazer o almoço, não quero parecer um encosto. Deixe que quando eu terminar meu cochilo eu faço uma comida para nós.
MÁRCIO:
Se você insiste. Mas agora eu vou ordenhar o gado.
ESTELA:
Está bem, tchau, bom trabalho.

CORTA PARA:

INT. QUARTO DE MÁRCIO – DIA

Depois que MÁRCIO saiu, ESTELA esperara um pouco e se adiantara para o quarto dele. Lá, ela vasculhara o velho armário e uma mesa de cabeceira, não havia nada. Nenhuma arma, nenhum facão ou algo do tipo. Ela deitara na cama  enquanto esperava o tempo passar.

ALGUMAS HORAS DEPOIS, ESTELA levantara, amarrara o cabelo em um rabo de cavalo e saíra da fazenda a procura de MÁRCIO onde quer que ele estivesse.

EXT. TERRENOS DO SÍTIO – DIA

MÁRCIO estava montado à cavalo no meio de um rebanho quando avistou ESTELA vindo ao longe. Uma figura bonita se destacando em meio à mata.

MÁRCIO (GRITANDO E ACENANDO):
ESTELA! Aqui, ó!

ESTELA ouvira os berros de MÁRCIO e localizara-o. Daí em diante, correu ao encontro dele. MÁRCIO desceu da montaria e foi ao encontro dela.

MÁRCIO:
O que tás fazendo aqui?
ESTELA:
Eu não conheço nada naquela sua cozinha, me diga onde é que fica tudo, por favor.
MÁRCIO:
O que você vai fazer, afinal?
ESTELA:
Coisa simples, arroz, feijão, salada e um peixe.
MÁRCIO:
Os legumes você pode colher numa horta que há no quintal da casa, os grãos estão ensacados num canto da cozinha, e os peixes tão numa bacia cheia de sal.
ESTELA:
Agradecida.
MÁRCIO:
Que horas mais ou menos eu posso ir almoçar?
ESTELA:
Daqui há uma hora, pode ser?
MÁRCIO:
Sim, claro!

ESTELA então refizera o caminho de volta para a casa.

INT. CASA DE MÁRCIO – DIA

ESTELA fora à horta, colhera alguns legumes mais vistosos, lavara-os e colocaro-os sobre a pia. Em seguida, lavou o peixe na pia do muro. Buscara um pouco da lenha que estava armazenada no quintal e prepara o forno deixando água fervendo para cozinhar os grãos e prepara óleo numa frigideira para fritar o peixe. Passado pouco menos de uma hora, estava tudo pronto com excessão do peixe. Ela dispusera os legumes na bandeja deixando um espaço grande no meio e o preenchera-o com o peixe. Pouco tempo depois, MÁRCIO chegou.

MÁRCIO:
O cheiro tá uma delícia.
ESTELA:
Quero ver se a comida tá boa.
MÁRCIO:
Já pode comer?
ESTELA:
A casa é sua.
MÁRCIO:
Então, me desculpe a pressa, mas eu to varado de fome.
ESTELA:
Eu te acompanho.

Os dois se sentara e serviram-se. Após uma refeição taciturna, MÁRCIO anunciou que iria descansar.

MÁRCIO:
Vou tirar uma soneca agora, tu podes se sentir a vontade.
ESTELA:
Obrigada, eu vou limpar a cozinha e depois vou tomar uma ducha.
MÁRCIO:
Tá certo.

MÁRCIO fora para quarto enquanto ESTELA tirava a mesa e organizava tudo. Com a louça lavada, o chão passado e a mesa limpa, ESTELA fora para o seu carro, tirara uma seringa da bolsa, colocara debaixo da cama e fora tomar uma ducha no banheiro do quarto. Deixando a porta aberta.

INT. QUARTO DE MÁRCIO – DIA

MÁRCIO acordara com o barulho da água do chuveiro batendo no chão. Pensando que não havia ninguém lá, fora até o cômodo para saber o que era aquilo.

INT. BANHEIRO DO QUARTO DE MÁRCIO – DIA

MÁRCIO encontrara ESTELA tomando banho completamente nua e parou. Permanceu olhando-a até que ela virara o ângulo do olhar e o vira.

ESTELA:
MÁRCIO?

CORTA PARA:


Medo da Verdade | Segundo Capítulo

Medo da Verdade

INT. AVIÃO PARTICULAR DE ROMANO – DIA

O avião já estava em trabalho de pouso, ESTELA dormira algumas horas após ler o docier de MÁRCIO e o PILOTO teve que acordá-la.

PILOTO:
Senhora, o avião já pousou. Está na hora de sair!
ESTELA (GROGUE):
Sim, claro! Já estou saindo.

EXT. CAMPO DE AVIAÇÃO MT – DIA

ESTELA e o PILOTO desceram do avião, a mulher precisou de ajuda para fazê-lo, porém conseguira.

ESTELA:
Senhor, você sabe me informar se há algum hotel nas proximidades?
PILOTO:
Infelizmente não, também sou paulista, porém há um homem naquela cabine que pode ajudá-la.
ESTELA:
Muito obrigada, faça boa viagem de volta.

EXT. LADO OPOSTO À CABINE DO AUXILIAR DE POUCO – DIA

ESTELA caminhara até onde o PILOTO a informara, lá encontrara um homem lendo algum jornal que ela não conhecia e chamara-o atenção com um pigarreio.

ESTELA:
Boa tarde, senhor, será que poderia me dar uma informação?
AUX. DE POUSO:
Se for do meu saber, claro que posso.
ESTELA:
Eu acabei de chegar e gostaria de saber se há algum hotel nas proximidades.
AUX. DE POUSO:
Sim, mas em qual direção a senhora está indo?
ESTELA:
Para o Amazonas.
AUX. DE POUSO:
Há um hotel há uns dez minutos nessa direção, contudo ele não é dos mais indicáveis para uma dama como a senhora, todavia há um outro há quase uma hora no sentido oposto ao que estás indo.
ESTELA:
Muito obrigada, pelas informações, eu seguirei até esse hotel mais agradável.
AUX. DE POUSO:
Agora, será que eu poderia fazer-te uma pergunta?
ESTELA:
Se for de meu saber, claro que posso.
AUX. DE POUSO:
A senhora é ESTELA MAGNETO?
ESTELA:
A própria.
AUX. DE POUSO:
O senhor ROMANO deixou um carro à sua disposição.
ESTELA:
E as chaves?
AUX. DE POUSO:
Estão comigo.

O AUXILIAR pegou um chaveiro e o entregou para ESTELA.

ESTELA:
Agradecida.

Com as chaves do carro numa mão e uma pequena mala na outra, ESTELA caminhara em direção a maquinaria que lhe fora disposta.

CORTA PARA:

INT. RECEPÇÃO HOTEL VELHA EUROPA – NOITE

ESTELA chegara ao hotel no começo da noite e tentara achar um quarto vago para pernoitar.

ESTELA:
Boa noite.
RECEPCIONISTA:
Boa noite, senhora, em que posso ajudá-la?
ESTELA:
Eu gostaria de saber se há alguma suíte vaga para esta noite.
RECEPCIONISTA:
Temos sim, alguma preferencia?
ESTELA:
Não, amanhã ao amanhecer já estarei de partida.
RECEPCIONISTA:
Nome completo?

ESTELA forneceu todos os dados necessários para liberação do quarto.

INT. SUÍTE 1001 – NOITE

ESTELA chegara a suíte dividida entre um banho e uma noite de sono, mas revolvera banhar-se primeiro. Ela fora ao lavado e ligara as torneiras que aos poucos enchiam a banheira com uma água morna. Começou a despir-se e quando já se encontrava completamente nua deixou-se afogar naquelas águas mornas e rasas.

FUSÃO PARA:

EXT. CARRO DE ESTELA – DIA

ESTELA acordara cedo, tomara um café da manhã ligeiro no hotel, fechara a estadia na recepção e logo partira em direção à fronteira. Ao passo que dirgia na estrada a qual poucos carros transitavam naquele momento, ela foi arquitetando estratégias para alcançar seu objetivo. Após horas dirigindo CHEGARA a uma casa simples que se situava no meio de uma fazenda perto da fronteira entre Mato Grosso e Amazonas.

EXT. CASA DE MÁRCIO – DIA

ESTELA estacionara o carro em frente a casa e batera PALMAS para que alguém a ouvisse. Em alguns instantes um homem aparecera sem camisa e tirara o ar de ESTELA.

MÁRCIO:
Em que posso ajudá-la?
ESTELA:
Desculpe incomodá-lo assim, mas é que acho que estou perdida. Aquela estrada lá em cima é a que leva ao Pará?
MÁRCIO:
Passou foi longe, moça. Aquela leva pros lados do Acre.
ESTELA:
Aff, pior que to morrendo de fome. Não sei nem onde é que tem algum lugar pra comer aqui perto… Por acaso você sabe?
MÁRCIO:
Não, mas se quiser tomar um cafezinho aqui sinta-se à vontade, a comida é simples, mas dá pra encher a barriga.
ESTELA:
Ah, você é muito gentil.

ESTELA já ia entrando quando percebera que MÁRCIO permanecera parado defronte a porta.

MÁRCIO:
Posso saber qual é a sua graça?
ESTELA:
Chamo-me Estela Magneto, e você?
MÁRCIO:
Márcio. Márcio Rangel. Prazer em conhecê-la.
ESTELA:
O prazer é todo meu.

Eles se abraçaram e ESTELA sorriu maliciosamente às costas dele.

CORTA PARA:


“Medo da Verdade”: Estela encontra Márcio

Medo da Verdade

NO CAPÍTULO DE ONTEM DE MEDO DA VERDADE, Estela foi designada para uma missão que – sem ela saber – vai mudar totalmente o rumo da sua vida. NO CAPÍTULO DE HOJE DE MEDO DA VERDADE eles irão finalmente se conhecer. Confira a cena inédita:

EXT. CASA DE MÁRCIO – DIA

ESTELA estacionara o carro em frente a casa e batera PALMAS para que alguém a ouvisse. Em alguns instantes um homem aparecera sem camisa e tirara o ar de ESTELA.

MÁRCIO:
Em que posso ajudá-la?

ESTELA:
Desculpe incomodá-lo assim, mas é que acho que estou perdida. Aquela estrada lá em cima é a que leva ao Pará?
MÁRCIO:
Passou foi longe, moça. Aquela leva pros lados do Acre.
ESTELA:
Aff, pior que to morrendo de fome. Não sei nem onde é que tem algum lugar pra comer aqui perto… Por acaso você sabe?
MÁRCIO:
Não, mas se quiser tomar um cafezinho aqui sinta-se à vontade, a comida é simples, mas dá pra encher a barriga.
ESTELA:
Ah, você é muito gentil.

ESTELA já ia entrando quando percebera que MÁRCIO permanecera parado defronte a porta.

MÁRCIO:
Posso saber qual é a sua graça?

MEDO DA VERDADE

NESTA TERÇA – ÀS 23H NO CLUB

Medo da Verdade | Primeiro Capítulo

Medo da Verdade

FADE IN:
INT. SALÃO DE FESTAS – NOITE

 

ESTELA olhava para os casais que dançavam no meio da pista, sentindo um desejo imenso de se juntar a eles quando sentiu que alguém encostara de leve nas suas costas. Ele era um senhor que ela ainda não tivera oportunidade de conhecer.

MÁRCIO:
Me concede esta dança?

ESTELA:
Sim.

ESTELA deu a mão para que o homem à beijasse e deixou-se conduzir até a pista de dança. O homem tinha braços fortes, firmes como apenas os de quem já fizera serviço braça pesado. De alguma forma, aquele homem desconhecido a transportou para uma época de seu passado, para o ano de 1952.

CORTA PARA:

SÃO PAULO – 1952

INT. QUARTO DE ESTELA – DIA

ESTELA acordara com o barulho do telefone. Levantara ainda meio grogue, tivera poucas horas para dormir. Quem a estaria acordando numa manhã de domingo? Deveria ser algo de muita importância. Ela ia para a sala. onde o telefone se encontrava.

INT. SALA DE ESTAR – DIA

ESTELA atendera ao telefone com uma voz pouco desperta.

ESTELA:
Alô?

ROMANO (V.O.):
Bom dia, ESTELA!

ESTELA:
Ah, ROMANO. EU já deveria saber que serias tu a me perturbar. Decerto deves querer saber como foi a operação de ontem.

ROMANO (V.O.):
Na verdade… não. Eu já tenho um novo serviço para você.

ESTELA:
Não fazem nem oito horas que eu matei o último e já queres que eu arranque outra cabeça?

ROMANO (V.O.):
Este é mais importante que qualquer outro, ele quase destruiu minha rede e eu vou destruir a vida dele.

ESTELA:
Onde podemos nos encontrar para discutir sobre o tal?

ROMANO (V.O.):
Na verdade, este é um serviço urgente, me encontre no campo de aviação dentro de duas horas.

ESTELA:
Certo, tenha um bom dia.

CORTA PARA:

INT. CARRO DE ESTELA – DIA

ESTELA dirigia atentamente para não dormir ao volante. Era verdade que ela não poderia estar dirigindo, porém a suaprofissão lhe concedia alguns privilégios. Ela dirigia em direção ao campo de aviação onde Romano a esperava.

EXT. CAMPO DE AVIAÇÃO – DIA

Romano vira um carro se aproximando. Concluíra que era Estela. Caminhara alguns metros para recebê-la.

ROMANO:
ESTELA! Desculpe te incomodar tão cedo, mas fui movido pela força das circunstâncias.

ESTELA:
Não se preocupe, quando o dever chama eu não posso recusar.

ROMANO:
E eu estou lhe garantindo uma taxa extra pela urgência.

ESTELA:
Só que antes eu gostaria de saber para onde estou indo, quem vou matar, esses detalhes…

ROMANO:
Não se preocupe quanto a isso. Esta PASTA é um docier de tudo que precisará saber sobre o sujeito.

ROMANO levanta a pasta para entregá-la à ESTELA, esta o recolhera e guardara para si.

ROMANO:
Você ainda terá muito tempo para ler isto, o lugar não tem campo de pouco, o piloto a deixará num campo próximo ao lugar, lá haverá um carro a sua espera e eu a aconselharia a procurar um lugar para pernoitar. Dentro desta maleta há, ainda, uma quantia para gastos que estejam relacionados à operação como o hotel, combustível para o carro ou algum imprevisto.

ESTELA:
Muito obrigada, ROMANO. Porém receio que o piloto já espera por mim.

ROMANO:
Faça boa viagem.

ESTELA:
Agradecida.

Estela virara-se e caminhara calmamente em direção ao avião. Deixando um ROMANO para trás a apreciar suas curvas.

INT. AVIÃO – DIA

ESTELA acomodara-se no único acento que havia além do que já estava ocupado pelo piloto. Tomou todas as medidas de  proteção como o sinto de segurança e a proteção dos ouvidos e abriu a pasta. Dentro dela havia o nome e uma foto da sua vítima.

ESTELA (PARA SI):
Então é você, MÁRCIO RANGEL, a pedra no sapato do ROMANO.

CORTA PARA:


Por que todo mundo tem MEDO DA VERDADE

Casal2

 

Amanhã estreia a história de um casal que se conheceu por ironia do destino e se estendeu ao longo de toda uma vida. ESTELA MAGNETO certamente não tem uma vida pacata, vive de matar homens inimigos de seu chefe das maneiras mais cruéis possíveis, mas vê sua vida virar de cabeça para baixo ao conhecer MÁRCIO, um de seus alvos, e não poder matá-lo por se encontrar completamente apaixonada por ele. Este amor perigoso não trará bons frutos para nenhum dos dois, todavia, entre uma e outra volta do destino eles podem se reencontrar.

–x–

INT. BANHEIRO DO QUARTO DE MÁRCIO – DIA

MÁRCIO encontrara ESTELA tomando banho completamente nua e parou. Permanceu olhando-a até que ela virara o ângulo do olhar e o vira.

ESTELA (ASSUTADA):
MÁRCIO?

Dia 3 de dezembro, estreia Medo da Verdade

 

“Há dez anos eu me envolvi em um esquema pesado de tráfico de armas. Pra tirar a policia da minha cola, eu estreguei o esquema e apontei o chefe da organização como culpado. Para que eu ficasse à salvo antes e depois do julgamento, o governo federal me incluiu num programa de proteção a testemunhas e eu vim parar neste lugar.” – MÁRCIO RANGEL

A vida de Márcio depois de entrar no programa de proteção a testemunhas de crimes do governo, deixa de ser pacata, pois Estela chegou para mudar o seu destino, mas nem tudo são flores e o único objetivo dela é matá-lo. Mesmo que ele esteja apaixonado por ela.  

MEDO DA VERDADE 

DIA 03 – ÀS 23h NO CLUB

Dia 03: MEDO DA VERDADE, no Club +TV

Estela é uma mulher bonita e sedutora, mas por trás desta máscara bonita há uma assassina perigosa. MEDO DA VERDADE contará o desenrolar da missão que mudou a sua vida e as suas consequências. Confira o que está para acontecer no primeiro capítulo dessa minissérie.

INT. QUARTO DE ESTELA – DIA

ESTELA:

Não fazem nem oito horas que eu

matei o último e já queres que eu

arranque outra cabeça?

ROMANO (V.O.):

Este é mais importante que qualquer

outro, ele quase destruiu minha

rede e eu vou destruir a vida dele.

MEDO DA VERDADE

03 DE DEZEMBRO – NO CLUB