Edir Macedo revela a ”Isto É” que a meta da Record é conquistar a liderança

Revista chega ás bancas hoje (25/11)

Depois de sete anos recluso, sem conceder nenhuma entrevista a outro veículo de comunicação, menos para os seus, pertencentes ao Grupo Record, o bispo Edir Macedo resolveu falar com a revista ”Isto É” em uma entrevista exclusiva, na qual chega ás bancas hoje (25).

Entre outras declarações, o líder religioso afirma que a meta da Record (sua emissora) é de alcançar a liderança de audiência, custe o tempo que custar. A intenção de todos que fazem parte do canal de se tomar o lugar da TV Globo vem desde 2005, quando o slogan ”A Caminho de Liderança” foi lançado. De lá pra cá, a emissora vinha crescendo, até acumular uma nova queda.

Os sonho desses últimos tempos começou a se distanciar cada vez mais. A segunda colocação, conquistada pela rede durante anos voltou a ser ameaçada pelo SBT, que desde Junho deste ano vem incomodando ainda mais e dividindo a vice liderança com a emissora dos bispos.

Sobre, isso, Edir comentou: ”A Record tem um projeto de televisão em andamento. Não vivemos de um acerto pontual ou outro na programação. Construímos um departamento de jornalismo sólido e com credibilidade, uma fábrica de novelas própria com milhares de funcionários e um projeto comercial que conquistou a confiança dos anunciantes. O ano de 2013 será de grandes investimentos em nossa emissora. Nossa meta é a liderança, não importa o tempo que isso demore para acontecer. Nosso foco está bem definido”.

Ele também declarou que teve uma conversa com a presidente Dilma Rousseff e lhe alertou sobre o ”perigo” do monopólio da TV brasileira.

”Ao longo dos últimos anos tivemos alguns encontros com a presidenta Dilma, por quem tenho profundo respeito. O último encontro aconteceu em Londres, durante os Jogos Olímpicos. Procuramos mostrar a ela e aos demais ministros que a democracia nos meios de comunicação, principalmente na televisão, é o melhor caminho para o Brasil. Alertei a presidenta Dilma que o monopólio nas comunicações é um caminho perigoso para o País”.

Leonardo Gabriel