Opinião: A Record ainda pode ser líder?

Ainda a caminho da liderança?

Eu não sabia qual assunto iria discutir em meu primeiro post de retorno a esta “casa”, que é o Club, em meio a tantas postagens e discussões sobre artistas mudando de emissora, resolvi escrever sobre esse assunto que sempre vem a tona, a tão sonhada liderança da Rede Record. Nos anos de 2004 a 2007 a Record criou o slogan “A caminho da liderança”, um belo slogan, que demonstrava o real desejo da emissora, ideal para a época em que foi lançado.

Em meados de 2007 e 2008 a Record conseguia “assustar” com seu carro chefe, a novela “Caminhos do coração”, sua maior concorrente, a Globo, que por anos esteve, e continua, dominando a televisão aberta brasileira, via-se que a teledramaturgia seria a carta que levaria a Record a vitória, mas não foi bem assim, a busca incessante por audiência, para mim, começava a partir dali, pois exploraram a novela, criaram uma continuação (algo que eu considero inédito em uma novela) e reprises até que o público estivesse saturado, a emissora e  novela viraram piada na boca dos telespectadores, um erro que nunca deveria ter ocorrido, a exemplo de sua maior concorrente que demora anos para reprisar suas novelas, oferecendo aos telespectadores novas produções e assim mantendo o público e a audiência. Depois de anos explorando a novela o público se cansou e a Record apostou em outras novelas que não obtiveram o mesmo sucesso de “Caminhos do coração”, que conseguia atingir pontuações incríveis.

As novelas da emissora estão sendo esquecidas devido a baixa audiência, e agora estão investindo nas histórias bíblicas, em minisséries, uma ideia fantástica, que se tornou a maior audiência da emissora, mas até onde vão as minisséries?, o que vão fazer depois que elas acabarem?. Enquanto isso a Record continua oferecendo em sua programação mais do mesmo, coisas que o público está cansado de ver.

Ao ler recentemente uma entrevista de um ex-autor da Record falando que lá faltavam profissionais do “ramo”, pois os que estão lá não davam a “importância” necessária para a teledramaturgia, concluí que tudo o que ele falou é verdade, eu como telespectador da record vejo ela como um carro dirigido por uma pessoa que não sabe dirigir, seguindo um caminho que não sabe onde vai chegar, se é que o carro vai ter combustível suficiente para chegar lá um dia. A  Record pode até estar “Do jeito que o povo gosta”, mas não está “A caminho da liderança” mesmo!, pois até hoje as novelas são o principal produto de qualquer emissora, e só com elas seria possível realizar este sonho.

O que você acha sobre a atual situação da Record?, deixe sua opinião, comente.