Opinião | Depois de tudo, a Copa deve ser no Brasil!

Manifestações ainda ocorrem por todo o país

Segundo o GazetaWeb, a Inglaterra teria se oferecido para a FIFA como um “Plano B” para a realização da Copa do Mundo de 2014, caso a onda de violência e vandalismo que afeta o país não acabe. Porém, caros brasileiros, analizem comigo. Todas as manifestações são importantes e justificáveis. Porém, o Vandalismo e a Violência estão querendo se infiltrar por meio delas. Concordo totalmente que os 30 bilhões gastos com as Copas deveriam ter tido outro futuro. Mas agora, depois de ter gasto tanto dinheiro, que saiu do bolso de nós, brasileiros, não podemos simplesmente pegá-lo e jogá-lo fora. Agora que tudo já foi feito, temos que tentar colher, mesmo que o mínimo, frutos que esse investimento pode trazer, mesmo sabendo que grande parte será desviada, como sempre.

Por exemplo: eu, que vos escrevo, estou trabalhando no Aeroporto Internacional de Fortaleza na área de recepção de turistas. Como tal, receberei certa quantia como remuneração e, além disso, receberei um diploma que comprovará minha experiência com um projeto de âmbito internacional. Neste aeroporto, podemos ver, ainda, cidadãos do Conjunto Palmeiras, uma comunidade carente de Fortaleza, tendo a chance de ganhar experiência também.

Um exemplo a ser seguido

Como podemos ver acima, isso sim é uma manifestação pacífica. Caso o que abala hoje o Brasil fosse assim, não seríamos motivo de espanto para os países vizinhos, mas de orgulho, pois, dessa forma, mostramos que queremos lutar pelos nossos direitos, mas de forma limpa. Já temos muita violência, não precisamos de mais.

Como falei acima, o fracasso das Copas traria péssimas consequências para o país. O setor de Turismo representa cerca de 3,6% do PIB brasileiro, algo em torno de 1,4 bilhões de reais. Sem ele, teríamos um grande desfalque nas nossas economias. Se com todo o dinheiro que temos, quase nada de qualidade temos, imagine com a redução destes. Nossa situação ficaria ainda pior.

Concluindo, as manifestações PACÍFICAS devem continuar. Seriamos um espelho para o mundo. Estas deveriam, ainda, manifestar contra a violência, proibindo o uso delas em seus movimentos, entregando os falsos manifestantes que usam tais artimanhas. Com tanto dinheiro gasto, devemos procurar fazer um grande espetáculo, movimentando nossa economia, mostrar que o Brasil pode dar a volta por cima, mostrar que o povo tem voz e vez, mostrar, enfim, que o gigante acordou. Gigante que luta pelo bem do próprio gigante.

Opinião | Manifestação é assegurada por lei. Vandalismo e Violência, não.

Constituição garante direito de manifestação

As manifestações, que assolam a realidade brasileira há dias, são validadas pela atual Constituição do Brasil. Veja:

– Constituição Brasileira de 1988:

  Art. 220º A manifestação do pensamento, a criação, a expressão e a informação, sob qualquer forma, processo ou veículo não sofrerão qualquer restrição, observado o disposto nesta Constituição.

  • § 2º – É vedada toda e qualquer censura de natureza política, ideológica e artística.

O que se vê, atualmente, é que muitos vândalos estão se disfarçando de manifestantes. Analisemos. Se nossos hospitais, por exemplo, já são bastante precários, destruí-los melhorará esse quadro? Pichar diversos prédios de uma cidade contribuirá para deixá-la agradável?

Além disso, destruir patrimônio, seja público ou privado, é crime. Veja:
“Art. 163 – Destruir, inutilizar ou deteriorar coisa alheia:

Pena – detenção, de um a seis meses, ou multa.

Dano qualificado

Parágrafo único – Se o crime é cometido:

I – com violência à pessoa ou grave ameaça;

II – com emprego de substância inflamável ou explosiva, se o fato não constitui crime mais grave

III – contra o patrimônio da União, Estado, Município, empresa concessionária de serviços públicos ou sociedade de economia mista; (Redação dada pela Lei nº 5.346, de 3.11.1967)

IV – por motivo egoístico ou com prejuízo considerável para a vítima:

Pena – detenção, de seis meses a três anos, e multa, além da pena correspondente à violência.”

 

Muitos manifestantes fazem valer o seu direito de liberdade de expressão corretamente. Mostram aos governantes que o país está “acordando” e que não mais ficarão calados diante de algo que considerem corrupto. Todavia, destruir patrimônio quebra essa linha de contestação. Além de, com isso, destruir o próprio dinheiro, está, ainda, acabando com o dinheiro alheio. Dinheiro este que é arrecadado pela alta taxa de impostos que nós, brasileiros, pagamos continuamente.

Por isso, lutemos por um país, mas não esquecendo de lutar também contra a violência. E para lutar contra esta, primeiro devem deixá-la de lado.

Protesto contra a violência que assola Fortaleza

  • E você, digno leitor, o que acha desses movimentos que já fazem parte de nossa vida? Comente!