Retrospectiva 2012 – Os vídeos que marcaram o ano!

Retrospectiva 2012

Boa noite galera! O Club está com novidades para toda semana. Hoje,  quinta-feira (27), para fechar o ano com chave de ouro, preparamos uma divertida  retrospectiva dos vídeos mais animados e comentados de 2012! Durante o ano, muitos vídeos ganharam destaque nas redes sociais e principalmente no “You Tube”. Alguns desses vídeos, ganharam fama sem querer, como a “Luiza no Canadá” que surgiu de um simples comercial. “Para Nossa Alegria”, ” Gangnam Style” e a “Veronica Voz” com o divertido “Nada nada nada” e muito mais, você verá aqui!

Imagina se você criasse um simples vídeo e lançasse no “You Tube”, e uma semana depois teria mais de um milhão de visualizações? Não seria nada ruim. Agora, você acompanha com exclusividade os vídeos que mararam 2012!

  • Luiza está no Canadá

O princípio de tudo foi no comercial de um prédio residencial da Paraíba. Para realizar o comercial, a construtora convidou o colunista social Gerardo Rabello para explicar sobre o empreendimento, em um momento da propaganda Gerardo diz que convidou toda a sua família, menos Luiza, que está no Canadá. Isso foi o estouro para fazer um grande sucesso na mídia. Confira:

Luiza, filha de Gerardo, tem 17 anos e está fazendo intercâmbio no Canadá. Ao saber de toda repercussão do assunto ficou assustada e já recebeu propostas de inúmeras empresas para gravar comerciais.

Com tamanha repercussão, surgiram várias tiras humorísticas a respeito. Veja:

ui luiza canada

*********************************************************************************************************************

ocriador luiza

*********************************************************************************************************************

luiza canada no msn

*********************************************************************************************************************

  •  Veronica Voz, nada, nada, nada

Na cidade de Aracaju (SE), uma senhora se destacou do “nada, nada, nada”, e ficou ainda mais famosa com o programa de humor “Pânico” da Band. A produção do humorístico, foi até Aracaju visitar Veronica. A mesma, já havia gravado 15 CD’S com músicas de sua autoria, mas nenhum fez sucesso, diferente do clip do You Tube. Confira:

Como sempre, páginas de humor não perderam tempo e logo trataram de criar imagens com a expressão “nada, nada, nada”. Veja:

*********************************************************************************************************************

  • Menina Fantasmado no Elevador

A famosa “menia fantasma no elevador”, levou muitas pessoas a gargalhada nas últimas semanas. Tudo começou, quando a garota foi convidada para fazer parte das “Câmeras Escondidas”, famoso quadro do “Programa Sílvio Santos”, e no momento em que foi ao ar, Lyvia Padilha ficou TOP. Na ocasião, o vídeo foi parar na Internet e logo começou a ser compartilhado em redes sociais como Twitter e Facebook. Veja, e se “morra” de rir:

Lyvia, já esta cotada para “Chiquititas”, e grava uma participação especial em “Carrossel”. Mais uma vez, a televisão revelando talentos!

                              

E aí, qual você prefere? O Club já realizou uma pocket-entrevista com Lyvia, e fez o maior sucesso. Ainda não viu? Não perca tempo:

EXCLUSIVO: Entrevista com Lívya Padilha, a “menina-fantasma” do “Programa Sílvio Santos”

*********************************************************************************************************************

  • Vida de Empreguete

As “empreguetes” ganharam fama no folhetim “Cheias de Charme”, e lançaram o clip “Vida de Empreguete”. Quem nunca escutou um trechinho? “Todo dia acordo cedo moro longe do emprego…” enfim, outras versões foram criadas, como “Vida de Estudante” uma paródia que conta  a rotina dos alunos. A novela (que por sinal marcava ótima audiência), virou sucesso em todo o Brasil. Apresentações em escolas a moda “empreguetes” com certeza foram os temas mais selecionados. Se por acaso você ainda não viu, pode conferir o clip oficial no link abaixo:

Vida de Empreguete

                                                                     

Penha, Rosário e Cida eram seus nomes fictícios na trama, e fizeram shows até com vários famosos, tomando o público de Chayene.

*********************************************************************************************************************

  • “Para Nossa Alegria”

Vai dizer que você nunca se emocionou, e gritou bem alto: “Para noooooooooooooooooooooooossa alegria” – O trio de Jefferson, Mara e Suelen conhecidos como para nossa alegria ficou conhecido por todo território brasileiro. E eles não imaginavam que um simples video mudariam a sua vida. Foram convidados para participar de vários programas, homenagens, memes, covers e produtos que foram lançados e que ainda farão sucesso. O programa “Domingo Legal” apresentado por Celso Portiolli no SBT levou a família para uma apresentação. Com certeza, agitou a plateia. Quer dar muita risada? Então confira o vídeo:

Jefferson, Suelen e Mara fazem parte de uma família feliz e que adora de ir a igreja para cantarolar. Um belo dia, eles acordam e decidem gravar uma versão de uma música evangélica famosa chamada Galhos Secos da banda Exodos, aí o resto você já sabe…

*********************************************************************************************************************

E POR ÚLTIMO, MAS NÃO MENOS IMPORTANTE:

  • Gangnam Style

O MAIOR hit de todos os tempos foi reconhecido a alguns meses. “Gangnam Style” é um single de K-pop do rapper sul-coreano PSY. Lançado no You Tube dia 15 de Julho de 2012,  entrou para a parada de singles da Gaon Chart na primeira posição logo depois o lançamento, e seu videoclipe possui o maior número de visualizações para uma canção de K-pop no YouTube. Chega de enrolação, e vamos logo ao que interessa:

A alguns dias da previsão do “fim do mundo”, rolaram boatos de que Gangnam Style seria uma profecia como sinal do fim do mundo.

Entenda o caso:

“From the calm morning, the end will come

When of the dancing horse

the number of circles will be 9″

Em português, o texto poderia ser traduzido livremente como:

“Da calma manhã, o fim virá

Quando o número de círculos

do cavalo dançante chegar a 9”

“Cavalo dançante” diz respeito ao trecho mais famoso da coreografia oficial da música, enquanto que os nove círculos seriam a marca de 1 bilhão de visualizações do vídeo no YouTube, número que contém nove zeros (“círculos”). Mas como todos vimos, nada aconteceu dia 21. Não passou de uma grande coincidência!

Bom, espero que tenham gostado do nosso especial! O Club deseja a você muitas realizações para o ano de 2013! Não deixe de acompanhar o Club diariamente, com muitas novidades! 

Com as respeitosas saudações, Lincoln André!

Compositor de ‘Vida de empreguete’ comenta novo hit para ‘patroetes’

Quito Ribeiro conta como criou sucessos da novela ‘Cheias de charme’.
Além de escrever canções, ele editou filmes como ‘Tropa de elite 2’.

João Henrique Coutinho Ribeiro divide seu tempo entre editar filmes (“Tropa de elite 2”, “Paraísos artificiais”) e criar músicas. Embora já tenha contribuído com gente como Daniela Mercury (“Domingo no Candeal”), nunca teve versos tão cantados quanto os de “Vida de empreguete”.

Saiu da cabeça de Quito Ribeiro, nome artístico do compositor de 41 anos, o hit da novela “Cheias de charme”.

Penha (Thaís Araújo), Rosário (Leandra Leal) e Cida (Isabelle Drummount) popularizaram os versos sobre as empreguetes, mas a resposta da rival Chayene (Cláubia Abreu) já está a caminho. A diva do eletroforró vai lançar nos próximos capítulos a música “Vida de patroete”, também composta por Quito.

“A encomenda foi de uma resposta que ficasse claro que havia essa referência à vida de empreguete. São músicas irmãs”, explica por telefone ao G1. “A letra fala do cotidiano das patroas e das queixas às empregadas. Chayene tem muito carisma, a música vai ajudá-la a dar a volta por cima.” Ele conta como escreveu os hits e repassa a carreira que começou em Salvador e continua no Rio.

G1 – Como foi a encomenda de ‘Vida de patroete’?
Quito Ribeiro –
 Os autores gostaram muito da “Vida de empreguete” e como eles queriam uma música das patroas que fosse uma resposta, foi natural que eles me pedissem para fazer essa segunda música. A encomenda foi de uma música resposta que ficasse claro que havia essa referência à “Vida de empreguete”. Então, são duas músicas irmãs. Há elementos musicais semelhantes nas duas.

G1 – E você acredita que fará o mesmo sucesso de ‘Vida de empreguete’?
Quito Ribeiro – 
Tomara que aconteça algo semelhante, mas não tenho como prever. Agora, é uma música para o condomínio na novela, mas Chayene tem muito carisma, a música vai ajudá-la a dar a dar a volta por cima. Como ela é uma cantora de eletroforró, tentei fazer uma música que dialogasse com isso e ao mesmo tempo com o pop das empreguetes. A letra fala um pouco do cotidiano das patroas e de suas queixas em relação as empregadas.

G1 – É a primeira vez que compõe para novelas?
Quito Ribeiro – 
É a primeira vez. O Hermano Vianna [sociólogo e consultor musical da novela] é meu amigo e me perguntou se toparia fazer música para a novela. Eles estavam pedindo para outras pessoas, entre elas eu. Ele me mandou um e-mail com o briefing. Fiz a música, mostrei, ficou um tempo de suspense… Depois de dois meses, disseram que gostaram mais da minha.

G1 – Como foi a produção de ‘Vida de empreguete’?
Quito Ribeiro – Chamei o Jonas Sá para produzir a faixa para mim, antes mesmo da música ser escolhida. Produzimos a gravação com a minha voz e a de uma amiga minha, Cecília Spyer. Quando a música foi aprovada, quiseram que só substituísse as vozes pelas das meninas. Usaram o mesmo instrumental da gravação original. O contato do Hermano foi no fim de março. Eu fiz a música em dois dias. Mandei voz e violão, mas pediram outra versão. A versão de agora com as vozes das atrizes foi gravada em maio. A novela já estava no ar.

G1 – Você falou de um e-mail com briefing, o que tinha nele?
Quito Ribeiro – Eles pediram que em determinado momento falasse “vida de empreguete, pego às sete”. Falaram qual o espírito da novela, a onda das personagens, para quem a música era dirigida. Perguntei para minha empregada, a Kelly, como era o fim de semana dela. Para o refrão, queria alguma coisa alegre, que não fosse de trabalho. A primeira parte já falava sobre isso. Ela me falou: “Fim de semana é igual: as meninas se arrumam, se vestem toda e vão para o baile”. Daí veio a ideia do “salto alto e ver no que vai dar”. Mas tem outra frase forte na música e nas paródias: é a parte “queria ver madame aqui no meu lugar”. Todo mundo se identifica com isso. Todos querem ver um rival do trabalho na mesma situação. Esse verso tem força.

G1 – Além de novela, já escreveu para filmes?
Quito Ribeiro – Eu sou editor de filmes. No final do filme “No meu lugar”, do Eduardo Valente, precisava de uma música e eu escrevi. Também editei. No caso da novela, gostei de ter feito. Foi legal e me senti confortável. Eu me identifiquei com a força audiovisual das imagens da letra. Foi fácil fazer.

G1 – ‘Vida de empreguete’ já te deu bastante dinheiro?
Quito Ribeiro – A maior parte do dinheiro vem com execução pública. “Vida de empreguete” vem tocando no rádio, na novela, em programas. O fato é que eu vou ganhar… Mas eu não ganhei por ter feito a música. Eu ganho por ela estar dentro da novela. Não é como fazer um jingle, não ganha por ter feito. Ganho pelo fato de ela estar sendo tocada na novela. Recebo também porque está tocando na novela e nos programas, via Ecad [órgão responsável pela a arrecadação e distribuição dos direitos autorais das músicas].

G1 – Então, hoje seu ganha-pão é como editor de filmes?
Quito Ribeiro – Eu ganho o dinheiro para viver é com cinema. Mas faço shows. Música é um mercado que vem mudando muito, com a internet. Estamos em um momento de transição. Tenho que me virar para sobreviver com isso. Como compositor, só ganho nessas situações. É quando entro em discos, novelas. Não dá para me sustentar como compositor.

G1 – Você está há 17 anos no Rio. Mas quanto o fato de você ser baiano ainda influencia nas músicas que você cria?
Quito Ribeiro – Influencia porque a Bahia é um estado muito musical. Minha experiência lá era muito na rua, no ambiente de carnaval. Em 1985, com 14 anos, era o auge dos blocos afro. Eu vivi toda essa euforia na Bahia. Eu morava lá e vi o surgimento de Daniela Mercury,Timbalada. Isso está na minha origem. Não sei se essa música é caracterizada como música baiana, não é um axé music. Mas mesmo assim está ali por perto. Ela tem uma levada de ska, que é um ritmo jamaicano. E é um tipo de música que influenciou a Bahia.

G1 – O que mais te inspirou?
Quito Ribeiro – Tem um pouco de Paralamas do Sucesso e do pop contemporâneo, deBeyoncé, Rihanna. As empreguetes têm um pouco deste traço… Foi algo que fez eles gostaram da música. Se a Ivete Sangalo gravasse, cairia bem no axé. A Gaby Amarantoscomentou comigo que era como um tecnobrega.

G1 – O líder do Psirico, Marcio Victor, toca no seu primeiro CD, assim como Domenico, Kassin e Moreno. Como é andar com a turma da MPB mais cabeça e com o pessoal do pagode-axé, mais popular?
Quito Ribeiro – Meu único disco se chama “Uma coisa só”. Tem a turma do Acabou La Tequila, Mulheres que Dizem Sim, +2. E tem a galera de Salvador, Carlinhos Brown, Marcio. A geração 2000 tem uma característica que a gente faz as coisas juntos, mas não faz a mesma coisa. Tem espaço para cada um ter sua leitura. Não vejo por que não juntar as duas coisas. Estou produzindo um CD novo e devo gravar no fim do ano.

G1 – E quais seus projetos do cinema?
Quito Ribeiro – Estou montando um filme do José Wilker, o primeiro dele como diretor. É com o personagem Giovanni Improtta. Acabei de fazer o DVD do Gilberto Gil, “Concerto de cordas”. E estou montando documentário sobre o [advogado] Sobral Pinto [1893-1991].

Com informações do site G1

Não tem jeito, As Empreguetes roubam a cena

As três roubaram a cena de Isadora (Foto: Cheias de Charme / TV Globo)

Nesta segunda, em Cheias de Charme: As Empreguetes, trio composto por Penha (Thaís Araújo), Rosário (Leandra Leal) e Cida (Isabelle Drummond), vão roubar a cena na trama de Felipe Miguez e Izabel de Oliveira. Durante o jantar de noivado para Conrado (Jonatas Faro) e Isadora (Giselle Drummond), Otto descobre que foi o trio musical quem preparou o jantar, daí todos os convidados seguem para a sala para conferir Vida de Empreguetes ao vivo e em cores.

João Paulo Alves